Pessoa segurando a mão de um idoso


Tratamento por ultrassom pode aliviar os tremores de Parkinson

Por Alan Mozes

 

 

O ultrassom pode proporcionar alívio duradouro dos movimentos musculares involuntários que são tão debilitantes para as pessoas com doença de Parkinson e outra condição chamada "tremor essencial", conclui um pequeno estudo.

 

O tratamento ainda é escasso, mas parece oferecer alívio significativo e duradouro dos tremores, relatam pesquisadores italianos.

 

É chamado de "ultra-som focalizado". Embora caracterizado como cirurgia, na verdade é um procedimento não invasivo que não envolve incisões.

 

Para pacientes com movimentos musculares descontrolados, os médicos o usam para direcionar feixes de energia sonora em direção a um pequeno centro de controle de tremores no cérebro chamado tálamo. Os raios aquecem o tálamo e destroem parte dele.

 

"A aplicação clínica dessa técnica para doenças neurológicas é uma novidade absoluta", afirmou o autor do estudo, Federico Bruno, radiologista da Universidade de L'Aquila, na Itália, em comunicado. "Poucos pacientes conhecem essa opção de tratamento até o momento e não existem muitos centros especializados equipados com a tecnologia necessária".

 

Ele ressaltou que o ultrassom focalizado recebeu a aprovação da Food and Drug Administration dos EUA há menos de três anos como tratamento de controle de tremores.

 

Antes disso, os pacientes tinham que confiar em outras intervenções, de acordo com a Dra. Rachel Dolhun, vice-presidente de comunicações médicas da Michael J. Fox Foundation, em Nova York.

 

"Exercícios, medicamentos e terapias cirúrgicas, como estimulação cerebral profunda, são todas possibilidades de consideração", observou ela.

 

Mas exercício e medicação nem sempre funcionam. E embora a estimulação cerebral profunda (DBS) atinja a mesma área cerebral que o ultrassom não invasivo, é altamente invasivo.

 

Os cirurgiões devem entrar no crânio e no peito para inserir fios, eletrodos e um gerador de pulso semelhante ao marcapasso. Também pode ser complicado após a cirurgia calibrar o dispositivo para maximizar a redução do tremor e minimizar os efeitos colaterais indesejados.

 

Além disso, pacientes com problemas cardíacos e hemorrágicos podem ser inelegíveis para o procedimento, disseram Dolhun e sua equipe, assim como aqueles com problemas de memória e pensamento. O equipamento DBS também requer manutenção vigilante, na forma de substituição regular da bateria.

 

Em comparação, o ultrassom focado, embora irreversível, "requer menor hospitalização e é um procedimento bastante bem tolerado, mesmo por pacientes mais frágeis", afirmou Bruno.

 

Mas isso funciona?

 

Bruno e sua equipe acompanharam 39 pacientes (idade média, 65 anos) por pouco mais de um ano após o tratamento com ultra-som.

 

Pouco mais da metade (21) tinha Parkinson. O restante apresentava tremor essencial (TE), um tipo comum de tremor que pode afetar as mãos, braços, pernas, cabeça, tronco e até a língua.

 

Em média, os participantes tiveram tremores por mais de uma década. Nenhum respondeu aos tratamentos padrão.

 

Todos foram submetidos a ultrassonografia focada, que é realizada sem anestesia geral em um lado do tálamo. (A realização do ultrassom nos dois lados pode desencadear problemas de fala, deglutição e pensamento, por isso é aprovado apenas para um lado.)

 

O resultado? Trinta e sete dos 39 pacientes experimentaram alívio imediato e significativo do tremor, e esse alívio se manteve durante o próximo ano. Os pacientes de Parkinson e ET relataram melhorias marcantes em sua qualidade de vida.

 

Por enquanto, no entanto, o ultrassom focado está disponível apenas em algumas instalações especializadas em todo o mundo. Mas Bruno e Dolhun sugerem que isso pode mudar.

 

"Há uma série de ensaios clínicos testando o ultra-som como um procedimento não invasivo para outros sintomas de Parkinson", disse Dolhun. Esses sintomas incluem discinesia, movimentos musculares incontroláveis ​​que resultam em inquietação, oscilação, contorção, contorção ou sacudidela na cabeça.

 

Bruno disse que outros estudos estão investigando seu potencial para o tratamento de dor neuropática, epilepsia e distúrbios obsessivo-compulsivos, além de tumores cerebrais. E, à medida que as técnicas de neuroimagem melhoram, ele prevê o potencial e a disponibilidade do ultrassom.

 

Bruno e sua equipe apresentarão suas descobertas na próxima quarta-feira na reunião anual da Radiological Society of North America em Chicago. A pesquisa apresentada nas reuniões é normalmente considerada preliminar até ser publicada em uma revista revisada por pares.

Aproveite e conheça nossa loja de Produtos para Saúde

Produtos relacionados:

  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até a Coxa - Extra Grande - Regular

    Por: R$ 119,57

    Comprar
  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até o Joelho - Extra G. Grande - Longa

    Por: R$ 71,75

    Comprar
  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até a Coxa - Pequena - Curta

    Por: R$ 119,57

    Comprar
  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até a Coxa - Grande - Curta

    Por: R$ 119,57

    Comprar
  • Bandagem Elástica Co-Plus - 2,5 cm X 4,5 m - Cor da Pele

    Por: R$ 53,60

    Comprar