UTILIZE O CUPOM
PRIMEIRACOMPRA
GANHE 5% DE DESCONTO E 5% DE CRÉDITO EM TODAS AS COMPRAS.
CUPOM
PRIMEIRACOMPRA
5% OFF + 5% DE CRÉDITO.

Escolha seus produtos para saúde
fibromialgia


O que é a fibromialgia?


Por Paige Bierma


Por quase 20 anos, a assistente social Susan Mason sofreu de dores musculares misteriosas e debilitantes em quase todo o corpo. Vez após vez, os médicos disseram a Mason que ela estava gripada ou que estava deprimida e que as dores iriam embora por conta própria. Mas eles nunca o fizeram. “Doeu muito acreditar que não havia algo errado”, diz Mason.

 

Finalmente, durante um período de dor intensa, Mason ligou para um hospital universitário na Virgínia Ocidental para marcar uma consulta com um reumatologista, um médico especialista que trata a artrite e certas doenças auto-imunes. Embora não houvesse consultas disponíveis por meses, a enfermeira que atendeu o telefone naquele dia mencionou uma palavra que mudaria a vida de Mason: fibromialgia.


[LEIA MAIS SOBRE SAÚDE]

 

Pouco depois, um médico diagnosticou Mason com síndrome de fibromialgia, ou SFM. O diagnóstico trouxe paz de espírito para a residente da Virgínia Ocidental recentemente aposentada, dando-lhe algum conhecimento concreto de com o que estava lidando. Ela também aprendeu que, embora a fibromialgia não tenha cura conhecida, muitas pessoas que a apresentam se beneficiam muito com o tratamento.

 

Estima-se que 2 a 4 por cento dos adultos americanos - a maioria deles mulheres - sofrem de fibromialgia, de acordo com o American College of Rheumatology. A fibromialgia é uma doença crônica caracterizada por dor generalizada nos músculos e tecidos moles ao redor das articulações, que geralmente é acompanhada por fadiga e distúrbios do sono. Vinte anos atrás, a condição era praticamente desconhecida. Hoje, os médicos estão fazendo um esforço para diagnosticar, compreender e tratar melhor a doença.

 

Quais são os sintomas?

 

A dor é o principal sintoma. Embora a fibromialgia possa causar dores por todo o corpo, é mais provável que você sinta uma dor mais aguda onde os músculos se fixam nas articulações ou em áreas de tecido mole chamadas de pontos-gatilho. Os locais que podem ser especialmente dolorosos incluem o cotovelo, antebraço, quadril, joelho, ombro, pescoço, mandíbula e costas. A condição causa dor nos ligamentos fibrosos, tendões e músculos do corpo.

 

Fadiga e dificuldade para dormir são outros sintomas comuns. Pesquisas em laboratórios de sono mostraram que pessoas com fibromialgia não dormem profundamente o suficiente e seu sono é freqüentemente interrompido. Eles costumam acordar de manhã sentindo-se mal. Em algumas pessoas, a fibromialgia também pode estar associada a depressão, ansiedade, dores de cabeça, rigidez matinal, problemas cognitivos e de memória, sensibilidade à temperatura, períodos menstruais dolorosos, dormência e formigamento nas extremidades e problemas do sistema digestivo, como a síndrome do intestino irritável.

 

Quem corre risco?

 

As mulheres têm maior probabilidade de desenvolver fibromialgia e geralmente aparece na idade adulta média (embora adolescentes e idosos também possam desenvolvê-la). Pessoas com doenças reumáticas, como lúpus, osteoartrite ou artrite reumatóide, também apresentam maior risco de desenvolvê-la.

 

O que causa a fibromialgia?

 

Ninguém sabe o que causa isso. No entanto, as pessoas com ela têm altos níveis de substância P em seu fluido espinhal, uma substância química que transmite e amplifica os sinais de dor. Os pesquisadores acreditam que pode ser desencadeada por lesões, estresse, ansiedade, falta crônica de sono ou certas infecções virais. Ele ocorre em algumas famílias, o que sugere que pode ter um componente genético. Algumas das pesquisas mais promissoras dos últimos anos centram-se na ideia de que a fibromialgia é uma disfunção na forma como o cérebro percebe a dor.

 

Em outras palavras, quem sofre de fibromialgia pode ter um limiar de dor mais baixo do que outras pessoas devido a um desequilíbrio neuroquímico, que faz com que o cérebro interprete as sensações comuns como dor. Como afirma o American College of Rheumatology, para a pessoa com fibromialgia, é como se o controle de volume estivesse muito alto nas áreas de processamento de dor do cérebro.

 

Como a fibromialgia é diagnosticada?

 

Nenhum exame de sangue ou raio-x pode detectar o distúrbio. Essa é uma das razões pelas quais os médicos tiveram dificuldade em diagnosticar a doença ao longo dos anos.

 

Uma combinação de dor relativamente constante e duradoura (três meses ou mais), juntamente com fadiga e distúrbios do sono que não têm outra origem conhecida, sugerem que você tem fibromialgia. Para confirmar essa suspeita, seu médico fará um exame físico para determinar quanta dor você está sentindo. Os critérios oficiais para a condição são dores musculares generalizadas por pelo menos três meses; dor em ambos os lados do corpo, acima e abaixo da cintura; e dor em pelo menos 11 dos 18 locais específicos, ou pontos sensíveis, no corpo, de acordo com o American College of Rheumatology. (Seu médico provavelmente aplicará pressão a esses "pontos sensíveis" - locais excepcionalmente sensíveis à pressão e localizados ao redor do pescoço, ombros, cotovelos, quadris e joelhos - para registrar seus níveis de dor.) No entanto,

 

Qual é o equívoco mais comum sobre a fibromialgia?

 

Muitas pessoas acreditam que a fibromialgia é um distúrbio psicológico, em vez de uma verdadeira condição física, ou que o sofredor está imaginando a dor ou simplesmente fingindo estar sofrendo. "A maioria das pessoas, até mesmo os médicos, ainda tem a ideia de que esta é uma condição psicológica, ou que essas mulheres estão fingindo [sua dor]", disse o Dr. Atul Deodhar, reumatologista e especialista em fibromialgia da Oregon Health & Science University em Portland.

 

Deodhar aponta para vários estudos científicos que sugerem que quem sofre de fibromialgia experimenta uma verdadeira dor física. Em um pequeno estudo publicado na Arthritis & Rheumatism, os pesquisadores usaram uma ressonância magnética funcional para fazer imagens do cérebro para medir a resposta do cérebro à dor em 16 pacientes com fibromialgia e 16 pessoas saudáveis. Na primeira parte do experimento, eles descobriram que a aplicação de pressão adequada nos polegares estimulava uma dor semelhante em ambos os grupos - e um fluxo sanguíneo semelhante no cérebro. No segundo teste, no entanto, os pesquisadores descobriram que o cérebro de pacientes com fibromialgia tornou-se altamente ativo quando apenas uma leve pressão foi aplicada em seus polegares; em pessoas saudáveis, quando a mesma pressão era aplicada aos polegares, os centros de dor eram muito menos ativos.

 

[CONHEÇA NOSSA LOJA]


A fibromialgia e a síndrome da fadiga crônica são a mesma coisa?

 

Não, mas eles compartilham os mesmos dois sintomas definidores: dor e fadiga. Na síndrome da fadiga crônica, a fadiga é o sintoma primário, enquanto na fibromialgia a dor é a queixa principal. No entanto, algumas pessoas com síndrome da fadiga crônica também têm fibromialgia. Pesquisas recentes sugerem que esses dois transtornos, ambos compreendidos de forma incompleta, podem estar em duas extremidades do espectro de um problema comum subjacente.

 

Quais são as minhas opções de tratamento?

 

Para começar, tente encontrar um médico que esteja familiarizado com o distúrbio. Você provavelmente terá que pesquisar e fazer muitas perguntas. Muitos reumatologistas tratam a fibromialgia, mas podem não estar familiarizados com ela. Fisiatras, médicos de família, internistas, especialistas em medicina física e reabilitação e médicos em clínicas de dor também tratam da doença.

 

Embora muitas pessoas que sofrem de fibromialgia aumentem sua terapia com métodos alternativos, é importante começar qualquer tratamento consultando um médico convencional, uma vez que muitos outros distúrbios - incluindo certas infecções e doenças autoimunes - podem causar alguns dos mesmos sintomas.

 

Os especialistas do American Pain Society Fibromyalgia Panel recomendam um plano de tratamento multidisciplinar que combina a educação do paciente, medicamentos (incluindo analgésicos, relaxantes musculares, medicamentos para fadiga ou antidepressivos), fisioterapia (massagem, alongamento e aeróbica suave) e terapia cognitivo-comportamental . Vários medicamentos também foram aprovados para o tratamento da fibromialgia em si.

 

O autocuidado - incluindo sono adequado, alongamento, treinamento de força, exercícios regulares como caminhada, respiração profunda e meditação - todos desempenham um papel importante no controle da doença, de acordo com um recente White Paper da Johns Hopkins.

 

Existe uma relação entre fibromialgia e depressão?

 

Depressão, estresse e ansiedade têm sido associados à fibromialgia. No entanto, não está claro se essas doenças mentais contribuem para a síndrome ou são resultado dela. "Nós sabemos que se você está deprimido e ansioso, suas dores e sofrimentos são piores, e que se suas dores são muito fortes, você pode ficar deprimido e ansioso", disse Deodhar. Mas é difícil saber o que veio primeiro. ”Os antidepressivos parecem ajudar muitos pacientes com fibromialgia, mesmo que eles não pareçam estar clinicamente deprimidos.

 

Nesse ínterim, as pessoas com fibromialgia continuam a experimentar diferentes métodos de controle da dor. Para Susan Mason, os últimos três anos foram um processo de tentativa e erro para encontrar os melhores tratamentos. Os antidepressivos não funcionavam para ela, mas o ibuprofeno e os relaxantes musculares sim. Os exercícios aeróbicos leves têm sido os mais benéficos de todos, diz ela, e as massagens ocasionais fazem maravilhas.

 

"Acima de tudo, recomendo encontrar um bom médico e iniciar um programa de exercícios", diz Mason, agora com 62 anos. "Isso não eliminou toda a dor, mas a tornou tolerável".

 

Dicas para controlar a fibromialgia

 

  • Desenvolva um plano com seu médico. Discuta as mudanças no estilo de vida que você pode fazer para melhorar seu sono e aliviar a dor. Isso provavelmente inclui mudanças na dieta e nos exercícios, e também pode significar o uso de medicamentos como ansiolíticos, pílulas para dormir, analgésicos ou antidepressivos.
  • Exercício. O exercício regular - por mais difícil que pareça quando você está dolorido e exausto - acabará por melhorar sua energia e aliviar a dor.
  • Durma um pouco. Aprenda sobre "higiene do sono" lendo sobre insônia. Camas com bolsas de ar ou camas de espuma sueca podem aliviar a pressão noturna nos pontos de dor. Evite beber álcool ou outras substâncias antes de ir para a cama que podem ter um impacto negativo na qualidade do seu sono. Não coma ou beba pouco antes de deitar.
  • Encontre um grupo de apoio. A fibromialgia é uma doença crônica com a qual você terá que aprender a conviver. Os grupos de apoio podem ser uma grande fonte de conforto, especialmente se as pessoas com quem você interage em casa ou no trabalho não entendem o que você está passando. Conversar com um terapeuta de saúde mental pode ajudá-lo a controlar a depressão e a ansiedade que ocasionalmente acompanham a fibromialgia.
  • Educar-se sobre como controlar sua dor também ajudará. Conecte-se à rede online de grupos de apoio à fibromialgia, sites de autoajuda e recursos médicos disponíveis nos sites da Arthritis Foundation, Fibromyalgia Network e outras organizações.

 

 

Referências

 

Entrevista com Susan Mason, que sofre de fibromialgia.

 

Entrevista com Atul Deodhar, reumatologista da Oregon Health and Science University em Portland.

 

American College of Rheumatology. Fibromialgia: educação do paciente.

 

Simeon Margolis, John A. Flynn. Os Livros Brancos de John Hopkins: Artrite. As instituições médicas John Hopkins. Baltimore, Maryland. 2010.

 

Chakrabarty, S e Zoorob, R. Fibromyalgia. Médico de Família Americano. 17 de julho de 2007.

 

Field, Tiffany, et al. "Fibromialgia dor e diminuição da substância P e sono melhora após massagem terapêutica." Journal of Clinical Rheumotology, abril de 2002.

 

Gracely, Richard H., Frank Petzke, Julie M. Wolf. "Evidência de imagem por ressonância magnética funcional do processamento aumentado da dor na fibromialgia." Arthritis & Rheumatism, Vol. 46, No. 5, maio de 2002.

 

Russell, Jon, et al. "Níveis elevados de substância P no líquido cefalorraquidiano em pacientes com a síndrome de fibromialgia." Arhtritis and Rheumatism, Vol. 37, No. 11.

 

Chakrabarty, S e Zoorob, R. Fibromyalgia. Médico de Família Americano. 17 de julho de 2007.

 

Godenberg, DL, Burckhardt, C, Crofford, L, Management of fibromyalgia syndrome. Journal of the American Medical Association, Vol. 292: 2388-2395.

Encontre seus produtos para saúde e receba em todo Brasil.
Lembrou de alguém? Compartilhe!
  • Perneira SCD Kendall Comp. Coxa Pequeno - CardinalHealth

    Por: R$ 369,43

    Comprar
  • Cateter Umbilical Lúmen Único 5fr 1 un - Covidien

    Por: R$ 142,86

    Comprar
  • Lâmina Descartável para Bisturi N 15 100 un - Feather

    Por: R$ 428,57

    Comprar
  • Cateter Umbilical Lúmen Único 3,5fr 1 un - Covidien

    Por: R$ 128,57

    Comprar
  • Lâmina Descartável para Bisturi N 11 100 un - Feather

    Por: R$ 428,57

    Comprar