Síndrome de Burnout pode desencadear fibromialgia


'Burnout' pode aumentar suas chances de Fibromialgia


Sentindo-se exausto, com poucas horas de atividade?


Cuidado com o esgotamento - especialmente após um novo estudo constatar que isso pode aumentar o risco de batimentos cardíacos irregulares perigosos, conhecidos como fibrilação atrial.


Fibrilação Atrial está associada a maiores chances de ataque cardíaco e derrame - é a forma mais comum de arritmia cardíaca. Estima-se que 10 milhões de pessoas nos Estados Unidos tenham a condição até o próximo ano.


O novo estudo descobriu que o burnout pode ajudar a desencadear a fibromialgia.


"A exaustão vital está associada ao aumento da inflamação e à ativação aumentada da resposta fisiológica ao estresse do corpo", explicou o autor do estudo Parveen Garg, da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles.


"Quando essas duas coisas são acionadas cronicamente, podem ter efeitos sérios e prejudiciais no tecido cardíaco, o que pode levar ao desenvolvimento dessa arritmia", explicou.


No estudo, o grupo de Garg entrevistou mais de 11.000 pessoas sobre se eles tinham ou não sintomas de burnout e os seguiu por quase 25 anos.


O desgaste "é tipicamente causado por estresse prolongado e profundo no trabalho ou em casa", disse Garg. Sua equipe publicou suas descobertas em 13 de janeiro no European Journal of Preventive Cardiology.


O desgaste "difere da depressão, que é caracterizada por humor baixo, culpa e baixa auto-estima", disse Garg em um comunicado de imprensa da revista.


Embora o novo estudo não possa provar causa e efeito, ele descobriu que pessoas com os níveis mais altos de burnout tinham uma probabilidade 20% maior de desenvolver fibromialgia durante o período de acompanhamento, em comparação com aquelas com pouco ou nenhum burnout.


O estudo não encontrou nenhuma ligação entre a fibromialgia e vários outros problemas psicológicos, como raiva, uso de antidepressivos ou suporte social precário.


"As descobertas de raiva e apoio social são consistentes com pesquisas anteriores, mas dois estudos anteriores encontraram uma associação significativa entre o uso de antidepressivos e um risco aumentado de fibrilação atrial", observou Garg. "Claramente, mais trabalho ainda precisa ser feito."


Mas quando se trata do impacto do burnout na saúde do coração, as descobertas "estabelecem ainda mais os danos que podem ser causados ​​em pessoas que sofrem de exaustão sem controle", acrescentou.


Dois especialistas em coração desconectados do estudo concordaram.


"Existe uma forte relação mente-coração", disse Satjit Bhusri, cardiologista do Hospital Lenox Hill, em Nova York. "Quando a mente está sob estresse, o coração responde, com um ritmo cardíaco apropriado ou anormal, a fibrilação atrial".


O Dr. Marcin Kowalski dirige eletrofisiologia cardíaca no Hospital Universitário Staten Island, também na cidade de Nova York. Ele acredita que "médicos e pacientes devem estar mais conscientes do estresse como fator contribuinte para arritmias cardíacas", e pacientes estressados ​​devem ser aconselhados a ajudá-los a evitar o desgaste.


"Felizmente, estudos futuros podem mostrar que a redução do estresse pode levar à redução da arritmia cardíaca", disse Kowalski.

Saiba mais sobre esse assunto

Produtos relacionados:

  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até a Coxa - Com Cinto - Extra Grande - Regular

    Por: R$ 86,10

    Comprar
  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até a Coxa - Média - Curta

    Por: R$ 143,49

    Comprar
  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até o Joelho - Extra G. Grande - Longa

    Por: R$ 86,09

    Comprar
  • Bandagem Elástica Co-Plus® - 2,5 cm X 4,5 m - Cor da Pele

    Por: R$ 53,16

    Comprar
  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até o Joelho - Média - Regular

    Por: R$ 86,12

    Comprar