UTILIZE O CUPOM
PRIMEIRACOMPRA
GANHE 5% DE DESCONTO E 5% DE CRÉDITO EM TODAS AS COMPRAS.
CUPOM
PRIMEIRACOMPRA
5% OFF + 5% DE CRÉDITO.

Escolha seus produtos para saúde
mulher com câncer pensativa


Os medicamentos contra o câncer de base imunológica funcionam melhor nos homens?


As mulheres têm duas vezes mais risco de morte depois de receber uma combinação de medicamentos de imunoterapia contra o câncer chamados inibidores de checkpoint, mas não está claro se essa diferença é devido a efeitos colaterais ou porque o o tratamento não está funcionando, dizem os pesquisadores.

 

Esta nova classe de medicamentos altamente direcionados - que inclui pembrolizumabe (Keytruda), nivolumabe (Opdivo) ou ipilimumabe (Yervoy) - revolucionou o tratamento do câncer. Eles atuam ativando o sistema imunológico para combater o câncer, mas também podem causar efeitos colaterais graves, às vezes fatais, explicaram os pesquisadores da Universidade Thomas Jefferson, na Filadélfia.

 

O gênero também pode desempenhar um papel nos resultados dos pacientes, mostrou a nova pesquisa.

 

"Este é o primeiro grande estudo de base populacional que demonstra uma diferença significativa nos resultados para mulheres tratadas com dois inibidores de checkpoint ao mesmo tempo", disse a autora sênior Grace Lu-Yao. Ela é diretora associada de ciências populacionais no Sidney Kimmel Cancer Center da Jefferson Health.

 

Para o estudo, o grupo de Lu-Yao analisou dados de mais de 1.300 pacientes que foram diagnosticados com câncer de pele com melanoma avançado entre 1991 e 2015. Todos foram tratados com um ou vários inibidores de checkpoint, como pembrolizumabe, nivolumabe ou ipilimumabe.

 

Não houve diferenças na sobrevida entre homens e mulheres tratados com um único inibidor de checkpoint, mas o risco de morte mais do que dobrou para mulheres em comparação aos homens quando uma combinação de nivolumabe e ipilimumabe foi usada.

 

A taxa basal de morte para homens e mulheres que tomam inibidores de PD-1 (drogas inibidoras de checkpoint que têm como alvo a proteína PD-1, como pembrolizumabe e nivolumabe) foi de 40%, concluiu o estudo.

 

No entanto, para aqueles que receberam uma combinação de inibidores anti-PD1 e anti-CTLA-4 (como ipilimumabe), a taxa de mortalidade permaneceu em 40% para homens, mas saltou para 65% para mulheres, de acordo com o estudo publicado online em dezembro 2 em Rede JAMA aberta .

 

“As mulheres têm maior probabilidade de morrer porque a terapia não está funcionando ou por causa de efeitos colaterais? Não sabemos ainda, mas este é um sinal poderoso em dados do mundo real que precisamos investigar mais”, Lu-Yao disse em um comunicado de imprensa da universidade.

 

Existem pequenas diferenças nos sistemas imunológicos masculino e feminino, observou a equipe do estudo. Por exemplo, as mulheres correm maior risco de doenças autoimunes, mas também tendem a ter respostas imunológicas mais fortes contra infecções do que os homens.

 

Apesar dessas diferenças conhecidas, os homens estão super-representados nos ensaios clínicos de imunoterapia contra o câncer. Quando os resultados dos testes são analisados, muitas vezes presume-se que os resultados se aplicam de forma semelhante às mulheres, mas pode não ser o caso, disseram os pesquisadores.

 

"Esses dados são um alerta com base na experiência de centenas de pacientes com essas drogas", disse Lu-Yao. “Esses dados do mundo real demonstram que os resultados derivados dos homens podem não ser aplicáveis ​​às mulheres e é fundamental projetar estudos com poder suficiente para avaliar a eficácia do tratamento por sexo”.

 

 

A descoberta de que a sobrevivência foi menor para mulheres com certas combinações de medicamentos "é muito importante", disse Green, "já que homens e mulheres podem ter resultados diferentes e podem não ser capazes de receber os mesmos tratamentos para as mesmas doenças."

 

Tudo se resume à necessidade de paridade de gênero nos ensaios clínicos, ela acredita.

 

"Quando testes futuros de novos medicamentos ou drogas são realizados, o gênero deve ser incluído nesses estudos, uma vez que homens e mulheres podem ter resultados diferentes com o mesmo tratamento", disse Green.

 

A autora do estudo, Lu-Yao, e sua equipe disseram que planejam investigar se as descobertas vistas neste grupo de pacientes com melanoma são repetidas em pacientes com outros tipos de câncer.

 

Mais Informações: A American Cancer Society tem mais informações sobre imunoterapia.

FONTES: Michele S. Green, MD, dermatologista, Lenox Hill Hospital, New York City; Thomas Jefferson University, comunicado à imprensa, 2 de dezembro de 2021

Por: Robert Preidt e Ernie Mundell (jornalistas de saúde).

Encontre seus produtos para saúde e receba em todo Brasil.
Lembrou de alguém? Compartilhe!
  • Máscara de Proteção lavável ( Branco ) - 3 un. Mash

    Por: R$ 25,31

    Comprar
  • Removedor de Curativo Removex 100ml - Rioquímica

    Por: R$ 24,14

    Comprar
  • Removedor de Curativo Removex 100ml - Rioquímica

    Por: R$ 24,14

    Comprar
  • Oxímetro SENSE 10 - Alfamed

    Por: R$ 2.930,00

    Comprar
  • Cinto Brava XG 135cm 15 unidades - Coloplast

    Por: R$ 745,07

    Comprar