Os danos da desinformação da vacina


Por Kayla McKiski

Um exame das tendências de vacinação na Dinamarca mostra o quão prejudicial pode ser a desinformação da vacina.

De 2013 a 2016, informações negativas sobre a vacina contra o HPV (papilomavírus humano) se espalharam amplamente nos meios de comunicação dinamarqueses. Como resultado, milhares de meninas não receberam a vacina.

Para o estudo, pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill analisaram quatro períodos diferentes para estudar as taxas de vacinação contra o HPV na Dinamarca: a vacina atingindo níveis de captação de outras vacinas (2009); início de informações negativas da mídia sobre a vacina (2013); ampla cobertura negativa da mídia (2015) e uma campanha nacional para garantir ao público a segurança da vacina (2017-2019).

Eles descobriram que, após o susto das informações erradas, houve uma queda de 50% nas vacinas e cerca de 26.000 meninas dinamarquesas não foram vacinadas. A partir disso, estima-se 180 casos evitáveis ​​de câncer do colo do útero e 45 mortes, segundo os pesquisadores.

"A Dinamarca é um bom estudo de caso para ver como um país lida com a desinformação da vacina", disse o autor do estudo Peter R. Hansen, professor de economia da UNC. "Ao usar histórias anedóticas, a mídia pode criar uma equivalência falsa entre afirmações ultrajantes e fatos científicos".

Então, qual foi a eficácia da campanha subsequente para corrigir as informações erradas e promover a vacinação?

A iniciativa de 2017 aumentou ligeiramente a captação de vacinação, mas os números ainda estão abaixo do nível anterior ao incêndio de desinformação. O estudo destaca a dificuldade de desfazer o dano da desinformação.

"A recuperação tem sido lenta e cara", disse Hansen em um comunicado de imprensa da universidade. "Os recursos estão sendo usados ​​para combater as informações erradas, em vez de serem usados ​​para benefícios de saúde".

As vacinas contra o HPV são seguras e podem prevenir até 90% dos cânceres cervicais. As meninas são instadas a receber a vacina entre 11 e 12 anos de idade, quando é mais eficaz. "A principal ameaça à resiliência dos programas de vacinação em todo o mundo é a desinformação da vacina", disse o pesquisador Noah Brewer, professor de comportamento em saúde da UNC. "Quando há uma grande queda na cobertura vacinal, é quase sempre porque há um susto não comprovado na segurança da vacina. ... Isso aconteceu em vários outros países e todos foram causados ​​por preocupações de segurança sem fundamento".

Os resultados foram publicados recentemente na revista Vaccine.

Aproveite e conheça nossa loja de Produtos para Saúde