O risco de diabetes em comunidades hispânicas e asiáticas


O risco de diabetes em comunidades hispânicas e asiáticas

Por Suprevida

As pessoas com diabetes têm duas vezes mais chances de morrer de doenças cardiovasculares, como insuficiência cardíaca, ataque cardíaco e derrame. Embora não seja uma estatística nova, ela ressoa nas comunidades hispânicas e asiáticas nos Estados Unidos, onde 1 em cada 5 adultos tem diabetes, diagnosticado ou não.

Pesquisas recentes oferecem uma visão mais detalhada de como comunidades étnicas específicas compartilham o fardo de maneira diferente. Mas com a devida conscientização e recursos, os especialistas dizem que a doença pode ser gerenciada - ou completamente evitada.

Entre os hispânicos, 25% dos mexicanos estão vivendo com diabetes diagnosticada ou não diagnosticada, de acordo com um estudo de 2019 publicado no JAMA, seguido por 22% de porto-riquenhos, 21% de cubanos e dominicanos e 19% de centro-americanos. Entre os adultos asiáticos, as taxas foram de 23% para os asiáticos do sul e 22% para os asiáticos do sudeste.

Existem vários fatores contribuintes possíveis, disse Nadia S. Islam, socióloga médica e professora associada do departamento de saúde da população da NYU Langone Health na cidade de Nova York.

"Ambos os subgrupos latino-americanos e asiáticos-americanos experimentam altas taxas de proficiência limitada em inglês, o que torna desafiador acessar os cuidados e entender informações e aconselhamento sobre saúde", afirmou Islam.

A conscientização sobre o risco de doença cardíaca com diabetes já é um problema geral. Uma recente pesquisa on-line realizada pela The Harris Poll determinou que, das pessoas com 45 anos ou mais com diabetes tipo 2, cerca da metade estava ciente de suas doenças cardíacas e risco de derrame.

Dieta, cultura e genética também podem desempenhar papéis.

"A educação em diabetes precisa ser adaptada à comunidade da qual o paciente vem", disse a Dra. Sylvia E. Rosas, professora associada de medicina na Harvard University Medical School e diretora da Clínica Latino-Kidney no Joslin Diabetes Center em Boston. "Com relação aos conselhos sobre dieta, um exemplo é limitar as massas e as batatas. Mas nossas comunidades costumam comer mais arroz e vegetais de raiz - mandioca, mandioca, yautia".

Porém, um excesso de carboidratos ricos em amido pode ser tão prejudicial quanto outro para pessoas com diabetes; portanto, as sugestões para mudanças no estilo de vida devem estar em sintonia com a cultura de uma pessoa. Novos imigrantes geralmente sofrem mudanças drásticas na dieta, disseram Islam e Rosas, e sua nova ingestão americana de repente inclui mais gordura, o que pode levar ao ganho de peso. Mas para os asiáticos, o peso nem sempre é um problema.

"Pesquisas demonstraram que os asiáticos têm um fator de risco único relacionado ao diabetes, pelo qual desenvolvem diabetes em níveis mais baixos de índice de massa corporal, ou IMC, em comparação com outros grupos minoritários raciais e étnicos", afirmou Islam.

E isso pode significar que muitos adultos asiáticos com diabetes não estão sendo diagnosticados.

Um estudo de 2018 analisou as recomendações federais usadas para orientar os médicos na triagem de pré-diabetes e diabetes. Ele exige avaliações quando os pacientes têm entre 40 e 70 anos e estão acima do peso. A análise, publicada no Journal of General Internal Medicine, mostrou que seguir essas recomendações significaria que 70% dos asiáticos com pré-diabetes ou diabetes tipo 2 seriam diagnosticados até o próximo teste de triagem, que poderia ocorrer anos depois.

Os latinos também desenvolvem diabetes tipo 2 com menos de 40 anos de idade, e o estudo mostrou que 56% deles não poderiam ser diagnosticados usando a recomendação federal mais restrita.

“A chave para esses dois grupos é estar ciente de que estão em risco. Uma das questões mais importantes é a detecção da doença. Muitos não sabem que têm. Depois que você souber que tem diabetes, a questão mais importante é controlar a doença com dieta, exercícios e medicamentos, se necessário," disse Rosas.

Islam disse que a responsabilidade pela ação recai não apenas sobre os prestadores de cuidados de saúde, mas também sobre os líderes comunitários de confiança, que podem oferecer educação e treinamento sobre dieta, atividade física e apoio social. "É preciso haver mais defesa de recursos e programas para apoiar essas comunidades nos esforços de prevenção e gerenciamento do diabetes", afirmou ela.

Saiba mais sobre esse assunto

Produtos relacionados:

  • Seringa de Insulina de Segurança c/ Agulha Fixa 0,5ml SOLCARE 30Gx5/16 (0,30mm x 8mm) – 25un – SOL MILLENIUM

    Por: R$ 268,57

    Comprar
  • Seringa de insulina SOL-M Blister 0,5ml agulha fixa 6mm 6x0,25 31G- 100 un - SOL MILLENIUM

    Por: R$ 94,28

    Comprar
  • Caneta Lancetadora G-Tech Mini - GTech

    Por: R$ 14,29

    Comprar
  • Seringa Insulina com Agulha BD Ultrafine 6x0,3 50Ui 10un

    Por: R$ 36,71

    Comprar
  • Seringa Insulina com Agulha BD Ultrafine 8x0,3 30Ui 10un

    Por: R$ 36,71

    Comprar