idosa segurando fita roxa representando a luta contra o lupus


Medicamento pode oferecer nova opção contra o lúpus

As pessoas que sofrem do lúpus, a doença auto-imune, podem em breve ter um novo medicamento ao qual recorrer, sugere um estudo clínico.

 

Por Dennis Thompson

 

Para o tratamento de lúpus foi identificado um novo medicamento. O anifrolumabe é um anticorpo criado em laboratório que bloqueia o interferon tipo 1, um bioquímico que ativa uma resposta imune em humanos, explicou o pesquisador-chefe Eric Morand, chefe da Escola de Saúde Monash de Ciências Clínicas em Melbourne, na Austrália.


O novo medicamento desencadeou uma redução significativa nos sintomas de lúpus em 48% dos pacientes após um ano, em comparação com 32% dos pacientes que receberam um placebo.


"Sabemos há muito tempo que cerca de 80% dos pacientes com lúpus têm uma assinatura detectável no sangue, mostrando que têm muito interferon no sistema", disse Morand.


O anifrolumabe, que bloqueia o receptor de interferon tipo 1 que todas as células imunológicas compartilham, mostra que a superprodução desse bioquímico realmente desempenha um papel importante no lúpus, disse ele.


"Este medicamento, que faz apenas uma coisa, foi associado a uma melhora dramática nos resultados dos pacientes em comparação ao placebo", disse Morand.


Com base nos resultados deste e de ensaios anteriores, a empresa farmacêutica AstraZeneca pretende solicitar a aprovação dos EUA para o anifrolumabe em algum momento da primeira metade do próximo ano, disse Morand.


"Eles se sentem otimistas porque, em todos os três testes, praticamente todas as medidas se comparam e têm a mesma aparência", disse ele.


A AstraZeneca financiou este teste.


O QUE É O LÚPUS

 

Cerca de 1,5 milhão de pessoas nos Estados Unidos têm lúpus e mais de 5 milhões no mundo todo, disseram pesquisadores em notas de fundo. Nove em cada 10 pacientes com lúpus são mulheres.

 
O lúpus faz com que o sistema imunológico se volte contra o corpo, causando inflamação e dor. As pessoas mais comumente sofrem de erupção cutânea, articulações doloridas ou inchadas, dores de cabeça, fadiga extrema, anemia, febre e inchaço nos pés, pernas e mãos, de acordo com a Lupus Foundation of America.

O lúpus também causa inflamação sustentada nos órgãos internos, e cerca de 10% das pessoas diagnosticadas com a doença morrem dentro de uma década, disseram os pesquisadores.

 

COMO FOI A PESQUISA

 

Neste ensaio clínico internacional de três anos, metade dos 362 pacientes recebeu anifrolumabe e a outra metade recebeu placebo.

Um estudo clínico anterior de anifrolumabe não obteve resultados positivos porque os médicos estabeleceram uma meta de melhoria total em pelo menos um sistema orgânico afetado pelo lúpus, disse Morand.

Este estudo mudou as postagens dos objetivos, buscando melhorias parciais, mas significativas, em todos os sistemas orgânicos que foram prejudicados pelo lúpus, disse ele.

Pesquisadores disseram que a droga atingiu esse objetivo. Por exemplo, muitos pacientes com uma erupção cutânea provocada por lúpus descobriram que sua pele limpou após o início do anifrolumabe.


"As melhorias mais óbvias foram na doença cutânea grave do lúpus. É óbvio porque você e o paciente podem vê-lo", disse Morand. "Existem muitos relatos de investigadores de doenças de pele quase desaparecendo rapidamente".


Os pacientes também precisavam de menos doses de esteróides para tratar seus sintomas, e os sintomas experimentados surgiam com menos frequência.

Ninguém teve que parar de tomar anifrolumabe devido aos efeitos colaterais, que foram causados ​​principalmente pela inibição da resposta imunológica da droga contra infecções virais, disse Morand. Cerca de 7% dos pacientes sofreram um surto de herpes zoster e 12% apresentaram bronquite.

No entanto, houve uma morte por pneumonia no grupo que tomou anifrolumabe.

Os resultados foram publicados no dia 18 de dezembro no New England Journal of Medicine.

"Há muito poucas boas notícias no lúpus há muito, muito tempo", disse Morand, observando que os resultados do estudo mostram que "estamos aprendendo a fazer isso melhor, e esperamos que mais medicamentos sejam bem-sucedidos nos próximos anos".


Um editorial publicado com o estudo observou que, em três ensaios clínicos, os resultados para a maioria dos objetivos primários e secundários mostraram que o anifrolumabe teve um desempenho melhor que o placebo.

"Dada a necessidade de levar medicamentos a pacientes com LES [lúpus eritematoso sistêmico], a comunidade lúpica instou os órgãos reguladores a considerar projetos de ensaios que permitam maior flexibilidade na definição do sucesso", escreveram os editorialistas Dr. Jane Salmon, da Weill Cornell Medicine e Timothyothy. Niewold da NYU School of Medicine, ambos na cidade de Nova York.

"Tais estratégias podem acelerar o desenvolvimento de medicamentos no lúpus até termos medidas de resposta e biomarcadores universalmente aceitos, que permitam agrupar pacientes com LES de acordo com caminhos biológicos que direcionam sua doença", concluiu o editorial.

Saiba mais sobre esse assunto

Produtos relacionados:

  • Alcool Gel Antisséptico 70% Riocare 61ml - 6 unidades

    Por: R$ 43,70

    Comprar
  • Curativo BSN Cutimed Siltec Sacrum 17,5 x 17,5 cm 5un

    Por: R$ 740,00

    Comprar
  • Curativo Aquacel Ag Extra 15X15cm 5un

    Por: R$ 640,90

    Comprar
  • Curativo Duoderm Extra Fino 15X15cm 10un

    Por: R$ 437,36

    Comprar
  • Curativo Aquacel Ag Extra 5X5cm 10un

    Por: R$ 439,79

    Comprar