A imagem de duas mãos juntas com um cérebro virtual flutuando sobre ela


Longevidade do cérebro - exercícios e saúde mental

Quanto os exercícios ajudam na longevidade do cérebro?


É bem conhecido que o exercício beneficia tanto o cérebro quanto o coração e os músculos, mas uma nova pesquisa aponta o quanto - e quais tipos - de exercícios podem promover habilidades de raciocínio à medida que você envelhece.


Analisando dados de dezenas de estudos sobre adultos mais velhos, os cientistas descobriram que aqueles que exerceram uma média de pelo menos 52 horas em cerca de seis meses - e por cerca de uma hora durante cada sessão - mostraram melhorias em suas habilidades de pensamento. A pesquisa não mostrou uma ligação entre uma quantidade semanal de exercícios e melhor função cerebral.


"Os dados parecem sugerir… você tem que se exercitar por um tempo antes de começar a ver que essas mudanças realmente impactam sua vida de maneira positiva", disse Joyce Gomes-Osman, autora do estudo. Ela dirige o Laboratório de Plasticidade Neuromotora da University de Miami, Escola Miller de Medicina.


Os participantes do estudo experimentaram mudanças específicas e significativas na agudeza mental, disse Gomes-Osman. Estes incluíram melhorias na velocidade de processamento ou a quantidade de tempo necessária para concluir uma tarefa; e função executiva, ou a capacidade de gerenciar o tempo, prestar atenção e atingir metas.


"Isso também é super encorajador, porque essas são as duas primeiras coisas que as pessoas, com o avanço da longevidade, começam a ter problemas", disse Gomes-Osman, que também é pesquisadora de pós-doutorado no Centro Berenson-Allen para estimulação cerebral não invasiva no Centro Médico Beth Israel Deaconess, em Boston. "O estudo fornece evidências de que, com o exercício, você pode realmente voltar o relógio da longevidade em seu cérebro."


Os adultos com mais de 60 anos irão abranger 2 bilhões da população mundial até 2050, e a prioridade mais alta desse grupo etário é permanecer mentalmente forte, de acordo com o Conselho Nacional de Longevidade. Mas, embora muitas evidências científicas tenham estabelecido efeitos positivos no cérebro a partir do exercício, poucas pesquisas abordaram quanto exercício é necessário para promover a saúde do cérebro, de acordo com os autores do estudo.


Gomes-Osman e sua equipe revisaram 98 estudos envolvendo mais de 11.000 participantes que analisaram várias "doses" de exercícios e sua relação com a melhoria do desempenho cerebral. Os pesquisadores procuraram identificar padrões consistentes de efeitos relatados em habilidades de pensamento.


Os estudos revisados se concentraram em adultos mais velhos (idade média de 73 anos) que foram solicitados a se exercitar por pelo menos quatro semanas. Seus testes de raciocínio e habilidades de memória foram então comparados aos de colegas que não iniciaram uma nova rotina de exercícios.


Entre todos os participantes, 59 por cento foram classificados como adultos saudáveis, enquanto 26 por cento tinham comprometimento cognitivo leve, o que pode preceder o desenvolvimento da doença de Alzheimer. Outros 15% diagnosticaram demência. Um total de 58 por cento dos participantes não se exercitaram regularmente antes de serem matriculados em um estudo.


Dos que se exercitaram, o exercício aeróbico foi o tipo mais comum, com a caminhada na forma mais regular. Alguns estudos incorporaram uma combinação de exercícios aeróbicos com treinamento de força ou resistência; um pequeno número usava exercícios mente-corpo, como ioga ou tai chi.


Em uma última análise, qualquer forma de exercício foi encontrada ser benéfica para habilidades de pensamento em adultos mais velhos, incluindo exercícios aeróbicos, treinamento de força, exercício mente-corpo ou combinações destes. Notavelmente, esses efeitos se estenderam àqueles com demência estabelecida, disseram os pesquisadores.


Como o exercício funciona para ajudar o cérebro? O Dr. Ajay Misra, presidente de neurociências do Winthrop Hospital de NYU em Mineola, N.Y., disse que a atividade física melhora a circulação sanguínea "em todo o corpo - que inclui o cérebro".


Além disso, o exercício produz endorfinas, substâncias químicas naturais que promovem maior motivação e prazer, disse Misra, que não estava envolvido na nova pesquisa.


"Isso melhora sua visão geral da vida, o que é benéfico em termos de cognição", acrescentou. "Melhora sua visão da vida, então você continua se exercitando."


O conselho de Gomes-Osman para pessoas de qualquer idade - especialmente aquelas preocupadas com a saúde do cérebro - é simples. "Eu digo às pessoas para se mexerem", disse ela. "Nós não somos feitos para ficar sentados - precisamos de movimento. Eu encorajo as pessoas a marcarem uma hora com elas para se mexerem e continuarem assim por um tempo."


O estudo foi publicado online em 30 de maio na revista Neurologia: Prática Clínica.

Saiba mais sobre esse assunto

Produtos relacionados:

  • Bolsa De Uma Peça Para Ostomia Drenável Opaca Com Adesivo Hollister Premier Recortável Até 64mm 10un

    Por: R$ 360,00

    Comprar
  • Placa Sur Fit Plus Com Adesivo Microporoso 45 mm 5un

    Por: R$ 198,57

    Comprar
  • Curativo Absorvente BSN Leukomed T Plus 8 x 10 cm 50un

    Por: R$ 200,79

    Comprar
  • Placa Sur Fit Plus Convexa 22/45 mm 5un

    Por: R$ 274,29

    Comprar
  • Agulha Hipodérmica BD PrecisionGlide 0.70X30 100un

    Por: R$ 12,70

    Comprar