Frutas e chá podem ajudar a combater a doença de Alzheimer?


Frutas e chá podem ajudar a combater a doença de Alzheimer?

Por Serena Gordon

Se você está preocupado com o desenvolvimento da doença de Alzheimer, novas pesquisas sugerem que comer mais frutas ou beber mais chá ou vinho tinto pode ajudar a proteger seu cérebro.

Pessoas que tiveram as menores quantidades de frutas - como maçãs e bagas - e vinho tinto e chá em suas dietas tiveram duas a quatro vezes mais chances de desenvolver a doença de Alzheimer ou outra demência relacionada, segundo o estudo.

"A dieta é importante e a boa notícia é que você não precisa fazer mudanças drásticas. Mudanças modestas, como deixar de comer nenhuma fruta e comer uma xícara ou duas por semana podem fazer a diferença", explicou o autor sênior do estudo, Paul Jacques. Ele é cientista sênior e diretor de epidemiologia nutricional no Centro de Pesquisa em Nutrição Humana do USDA sobre o envelhecimento na Universidade Tufts, em Boston.

Os pesquisadores suspeitam que os flavonóides - substâncias naturalmente encontradas em alimentos vegetais - estão fornecendo esses benefícios potenciais à saúde do cérebro. Um grande benefício à saúde associado aos flavonóides é a inflamação reduzida. A inflamação tem sido associada à doença de Alzheimer e outras formas de demência.

Jacques observou, no entanto, que o estudo não pode provar uma relação definitiva de causa e efeito entre frutas, chás e vinho na dieta e na demência. É possível que as pessoas que comem mais frutas ou bebem mais chá ou vinho possam ter outros hábitos saudáveis ​​que afetam o risco de demência. Mas Jacques disse que os pesquisadores tentaram controlar o maior número possível de fatores, como tabagismo, atividade física e níveis de obesidade.

A pesquisa incluiu 2.800 pessoas com 50 anos ou mais quando o estudo começou em 1970. A média de idade era 59 anos. Cerca da metade eram mulheres, e a maioria dos participantes era branca e de ascendência europeia. Os voluntários do estudo responderam perguntas sobre seus hábitos alimentares aproximadamente a cada quatro anos. As informações foram coletadas por uma média de quase 20 anos. Se alguém foi diagnosticado com a doença de Alzheimer ou uma demência relacionada, como demência vascular, os pesquisadores não incluíram informações sobre a dieta nos anos que antecederam o diagnóstico. Jacques explicou que, à medida que as habilidades de memória e pensamento diminuem, a capacidade de relatar com precisão o que você comeu diminui. Além disso, as pessoas com demência costumam mudar seus hábitos alimentares, preferindo diferentes alimentos.

Os pesquisadores classificaram as informações da dieta em quatro categorias de ingestão de flavonóides. Eles compararam as pessoas com a menor ingestão àquelas com a mais alta.

Na extremidade baixa, as pessoas não tinham frutas, cerca de 1,5 maçãs e chá durante o mês. No extremo mais alto, as pessoas comiam cerca de 7,5 xícaras de mirtilos ou morangos, oito maçãs ou peras e tomavam cerca de 19 xícaras de chá (verde ou preto) a cada mês.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que consomem as menores quantidades de maçãs, peras e chá tinham o dobro do risco de desenvolver demência de Alzheimer ou outras demências relacionadas.

Consumir o nível mais baixo de mirtilos, morangos e vinho tinto foi associado a um risco quádruplo de desenvolver Alzheimer ou outras demências relacionadas.

Jacques disse que vários fatores são suspeitos na doença de Alzheimer, incluindo considerações genéticas e ambientais. Pesquisas anteriores sugeriram que a dieta é um forte fator ambiental, e este estudo contribui para essa evidência. "Este estudo também parece nos dizer que o risco de demência varia com a ingestão alimentar das pessoas", afirmou Jacques.

Heather Snyder, vice-presidente de operações médicas e científicas da Associação de Alzheimer, concordou que muitos fatores contribuem para a doença de Alzheimer e outras demências relacionadas."A doença de Alzheimer é complexa. O cérebro é complexo. Olhando ao longo da vida, genética, nutrição, educação e outros fatores fazem parte de um quebra-cabeça. Este estudo é outra peça desse quebra-cabeça", disse ela.

Snyder disse que a força deste estudo é o acompanhamento a longo prazo. Mas ela disse que é importante aprender o efeito da dieta em uma população maior e mais diversificada.

Ambos os especialistas disseram que é melhor ter uma dieta saudável ao longo da vida. Mas ambos também disseram que há prováveis ​​benefícios à saúde do cérebro se você mudar sua dieta para uma alimentação mais saudável, independentemente da sua idade.

O estudo foi publicado on-line recentemente no American Journal of Clinical Nutrition.

Mais Informações
Saiba mais sobre dieta e prevenção da doença de Alzheimer no Instituto Nacional do Envelhecimento dos EUA.

Saiba mais sobre esse assunto

Produtos relacionados:

  • ISOSOURCE Soya Fiber Tetra Square - Sabor baunilha - 1L

    Por: R$ 31,94

    Comprar
  • ISOSOURCE Soya Tetra Square 1L

    Por: R$ 28,30

    Comprar
  • NUTREN Senior Pó - Café com leite - Lata 370g

    Por: R$ 72,85

    Comprar
  • NUTREN Senior Pó - Sem sabor - Lata 370g

    Por: R$ 72,85

    Comprar
  • Curativo Cosmopor E PFL 10 x 8 cm - 25 un - Hartmann

    Por: R$ 31,00

    Comprar