Estresse e o sistema digestivo | Suprevida



Estresse e o sistema digestivo


Por Chris Woolston


Você não precisa de um PhD em fisiologia para saber que o estresse pode ser difícil para o estômago. Todos fizemos nossas próprias experiências sobre o assunto, intencionalmente ou não. Lembra como você se sentiu na última vez que falou em público? Aquelas borboletas não estavam na sua cabeça.


O impacto do estresse no estômago vai muito além da indigestão, no entanto. Nos últimos anos, os médicos descobriram uma conexão extremamente complexa entre o cérebro e o sistema digestivo. Todo o sistema é extremamente sensível ao nosso humor. Na verdade, os especialistas agora veem o estresse como um dos principais agentes de uma ampla gama de problemas digestivos, incluindo síndrome do intestino irritável, indigestão e azia.


Pessoas com problemas digestivos geralmente zombam da idéia de que o estresse pode estar na raiz de seus problemas. Para eles, parece "culpar a vítima". Robert Sapolsky, especialista em estresse da Universidade de Stanford e autor do livro best-seller Why Zebras Don't Get Ulcer (Henry Holt and Co., 2004), diz que sua discussão sobre estresse e síndrome do intestino irritável resultou em cartas dos leitores.


Mas especialistas que estudam a ligação entre estresse e digestão não estão procurando culpados. Em vez disso, eles estão procurando explicações científicas para alguns dos males mais comuns da vida. Ao entender como o estresse afeta nossos corpos, eles estão abrindo novos caminhos para a prevenção e tratamento de muitas condições.


Uma via de mão dupla


Todos nós falamos sobre "sentimentos viscerais", mas poucos de nós realmente apreciamos as conexões incrivelmente fortes entre o cérebro e o sistema digestivo. O estômago e os intestinos, na verdade, têm mais células nervosas do que toda a medula espinhal, levando alguns especialistas a chamar o sistema digestivo de "mini-cérebro". Uma estrada de nervos corre diretamente do cérebro real para o sistema digestivo, e as mensagens fluem em duas direções. Considere isso: 95% da serotonina do corpo - um hormônio que ajuda a controlar o humor - é encontrada no sistema digestivo, não no cérebro.


Como Sapolsky escreve em Zebras, existem razões sólidas pelas quais nosso sistema digestivo deve prestar tanta atenção aos nossos cérebros. Em tempos de estresse, nossos corpos são projetados para se concentrar nas coisas que podem nos ajudar a permanecer vivos. Quando nossos ancestrais tiveram que lutar contra as hienas ou fugir dos ursos das cavernas, eles não queriam desperdiçar energia em coisas menos importantes, como uma boa digestão.


Quando o cérebro se sente severamente estressado, desencadeia uma cascata de hormônios que podem causar um grande alvoroço no sistema digestivo. Os hormônios têm empregos diferentes e às vezes contraditórios. Por exemplo, o hormônio CRH (abreviação de hormônio liberador de corticotropina) é um dos principais alarmes do corpo. Em situações estressantes, o cérebro bombeia o CRH para dizer à glândula supra-renal para começar a fazer esteróides e adrenalina, substâncias químicas que podem lhe dar força e energia para correr ou lutar contra problemas.


O CRH também desativa o apetite, o que explica por que algumas pessoas não conseguem comer nada quando estão estressadas. Ao mesmo tempo, os esteróides desencadeados pelo CRH podem deixar uma pessoa com fome, e é por isso que algumas pessoas lutam contra o estresse com sorvete, chocolate ou batatas fritas.


Claramente, pessoas diferentes têm respostas diferentes ao estresse, e não há como dizer com certeza como situações específicas afetarão a digestão. Mas existem algumas regras gerais. A curto prazo, o estresse pode causar dores de estômago, náusea e diarréia. A longo prazo, o estresse prolongado pode agravar doenças crônicas, como síndrome do intestino irritável e azia.


De síndrome do intestino irritável a úlceras


O estresse é especialmente preocupante para pessoas que têm problemas digestivos sem qualquer causa física clara - "distúrbios gastrointestinais funcionais" no discurso médico. Nesses casos, todas as partes do sistema parecem saudáveis ​​e normais, mas ainda não funcionam como deveriam. Esses distúrbios são extremamente sensíveis ao estresse. Eles também são extremamente comuns. De acordo com um relatório da Universidade da Carolina do Norte, cerca de 25 milhões de americanos têm um distúrbio gastrointestinal (GI) funcional.


O exemplo clássico de um distúrbio gastrointestinal funcional é a síndrome do intestino irritável (SII), uma doença muito comum e desconcertante, muitas vezes caracterizada por cólicas dolorosas, inchaço e constipação, alternando com diarréia. O National Institutes of Health estima que até um em cada cinco americanos tem alguns sinais de SII.


Ninguém sabe como o IBS começa, mas não há dúvida de que o estresse pode piorar os sintomas. Por um lado, o estresse pode fazer o contrato de cólon, levando a dor de estômago. Não está completamente claro por que as pessoas com IBS às vezes ficam constipadas. Uma possibilidade é que o estresse possa ocasionalmente tornar as contrações descoordenadas e improdutivas. O estresse também pode tornar a mente mais consciente das sensações no cólon, e como as pessoas com SII podem sentir mais desconforto devido aos receptores de dor extra-sensíveis no trato gastrointestinal, até mesmo contrações normais podem ser realmente desagradáveis.


A IBS pode agitar-se com os aborrecimentos diários, especialmente aqueles que fazem a pessoa se sentir tensa, zangada ou oprimida. Mas, como relatado em uma edição de 2004 da Psychosomatic Medicine, o IBS - como outras condições crônicas - é ainda mais sensível ao estresse que vem de grandes mudanças na vida, como a morte na família ou a perda de um emprego.


Aqui está uma rápida olhada em outras condições digestivas que podem ser agravadas pelo estresse:


Indigestão. Seu estômago ronca, dói ou queima. Às vezes você se sente inchado ou enjoado e vomita ou vomita. Todos estes podem ser sinais de uma úlcera, mas milhões de pessoas sem úlceras também têm esses sintomas. Os médicos chamam isso de "dispepsia funcional", mas é mais conhecida como indigestão. A indigestão é o segundo distúrbio gastrointestinal mais comum, após IBS. Conforme relatado pela Cleveland Clinic, todos os sintomas de indigestão tendem a piorar em tempos de estresse. No lado positivo, eles geralmente desaparecem quando uma pessoa tem a chance de relaxar.


Azia. Existem muitas causas possíveis para a azia, desde a superprodução de ácido estomacal até o abuso excessivo na pizza. Seja qual for a sua causa, o estresse pode definitivamente piorar a azia. Um estudo publicado em uma edição de 2004 da Psychosomatic Medicine descobriu que sofredores de azia que passaram recentemente por um grande evento de mudança de vida foram especialmente propensos a desenvolver sintomas graves dentro de quatro meses. Os pesquisadores especularam que o estresse poderia aumentar a produção de ácido no estômago ou tornar o esôfago mais sensível à dor.


Úlceras. As gerações passadas pensavam que as úlceras eram um sinal de estresse, e não estavam longe de estarem erradas. Sabe-se agora que a maioria das úlceras é causada por uma infecção bacteriana. Alguns pesquisadores teorizam que o estresse pode ajudar a infecção a se instalar, talvez por perturbar o delicado equilíbrio de ácido clorídrico e secreções protetoras do estômago, tornando-o mais vulnerável às úlceras. Sapolsky acredita que o estresse é um fator em 30 a 65 por cento de todas as úlceras, mas alguns especialistas médicos acham que a conexão permanece hipotética.
Colite ulcerativa e doença de Crohn. Essas condições - conhecidas como doença inflamatória intestinal (DII) - definitivamente não são causadas pelo estresse. Mas, uma vez que as doenças se instalam, um estresse pode piorar os sintomas.


Definindo sua mente em alívio


Se o seu sistema digestivo não estiver funcionando bem, não sofra em silêncio. De acordo com um relatório da Universidade da Carolina do Norte, 80% das pessoas com SII ou outros problemas gastrointestinais funcionais nunca discutem seus sintomas com um médico. Isso é lamentável, porque os médicos muitas vezes podem prescrever remédios para recuperar o sistema digestivo. Um médico também pode verificar se há doenças subjacentes que possam explicar os sintomas.


Se o seu médico não conseguir encontrar uma explicação física para seus problemas digestivos, talvez seja necessário acalmar sua mente antes de poder acalmar seu estômago. Pergunte ao seu médico se você seria um bom candidato para terapia comportamental cognitiva, terapia interpessoal, terapia de relaxamento ou outra forma de aconselhamento. Você pode fazer sua parte para combater o estresse comendo bem, exercitando-se regularmente e tendo bastante sono. Para mais dicas sobre alívio do estresse, clique aqui.


Problemas digestivos podem ser uma mensagem. Traduzida, essa mensagem é "viva bem e aprenda a relaxar". Esta é uma hora em que você definitivamente quer ouvir seu instinto.




Referências

Sapolsky, Robert M. Why Zebras Don't Get Ulcers.Third Edition. Henry Holt and Co. 2004.

Naliboff, B.D. et al. The effect of life stress on symptoms of heartburn. Psychosomatic Medicine. 2004. 66: 426-434.

Cleveland Clinic. Indigestion. December 22, 2009.

University of North Carolina Center for Functional GI and Motility Disorders. What are FGIDs? 2007.

National Digestive Diseases Information Clearinghouse. National Institutes of Health. Irritable bowel syndrome. September 2007.

National Digestive Diseases Information Clearinghouse. National Institutes of Health. Indigestion. November 2008.

Neuroscience, 2nd edition. Purves, Dale et al. Sinauer Associates, 2001.

Milla, P. et al. Motility disorders in childhood: Working group report of the First World Congress of Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition. 35:S187-S195. August 2002. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition.

American College of Physicians. New drugs -- and some respect -- for IBS. 2003.

National Women's Health Information Center. Inflammatory bowel disease. August 17, 2009.

Toner, B.B. et al. Cognitive-behavioral group therapy for patients with irritable bowel syndrome. 1998 Apr;48(2):215-43. International Journal of Group Psychotherapy.

Saiba mais sobre esse assunto

Produtos relacionados:

  • Sistema De Controle De Incontinência Fecal Convatec Flexi-Seal 1 Kit

    Por: R$ 1.257,14

    Comprar
  • Anél Convexo De Hidrocoloide Hollister Adapt Flextend 30mm 10un

    Por: R$ 182,86

    Comprar
  • Seringa de Perda de Resistência Plástica BD Epilor LOR 7 Ml com bico Luer Slip 10un

    Por: R$ 413,49

    Comprar
  • Curativo De Espuma Hartmann Permafoam Tracheostomy 8X8cm 10un

    Por: R$ 397,14

    Comprar
  • Bolsa Para Ostomia Drenável Sem Filtro Opaca Hollister 44mm 10un

    Por: R$ 260,00

    Comprar