Duas mulheres de meia idade andando de bicicleta


Estresse e longevidade: consequências de envelhecer

Longevidade e Estresse


Por Chris Woolston


Em qualquer idade, o estresse é uma parte da vida. Jovens e idosos têm que enfrentar situações difíceis e superar obstáculos. Enquanto os jovens adultos lutam para estabelecer uma carreira, obter segurança financeira ou conciliar as demandas de trabalho e família, os idosos podem enfrentar problemas de saúde ou de diminuição das finanças - ou simplesmente os desafios de manter sua independência. Infelizmente, as defesas naturais do corpo contra o estresse gradualmente se rompem com a idade. Mas você não precisa ceder ao estresse só porque não é mais jovem.


Muitos idosos ainda conseguem navegar em seus últimos anos. "Capitões bem-sucedidos" tendem a ter algumas coisas em comum: permanecem conectados a amigos e familiares, exercitam-se e mantêm-se ativos e, acima de tudo, encontram maneiras de reduzir e administrar o estresse em suas vidas.


O alarme do estresse


Stress vem em dois pontos básicos, físicos e emocionais - e ambos podem ser especialmente desgastantes para pessoas mais velhas. Os impactos do estresse físico são claros. À medida que as pessoas atingem a idade, as feridas cicatrizam mais lentamente e os resfriados tornam-se mais difíceis de abalar. Um coração de 75 anos pode demorar a responder às demandas do exercício. E quando uma pessoa de 80 anos entra em uma sala fria, levará um tempo extra para que a temperatura corporal dela se ajuste.


O estresse emocional é mais sutil, mas, se for crônico, as consequências eventuais podem ser tão prejudiciais. Em qualquer idade, cérebros estressados ​​soam um alarme que libera hormônios potencialmente nocivos, como cortisol e adrenalina. Idealmente, o cérebro reduz o alarme quando os hormônios do estresse ficam muito altos.


Os hormônios do estresse fornecem energia e foco a curto prazo, mas muito estresse por muitos anos pode desequilibrar o sistema de uma pessoa. Sobrecargas de hormônios do estresse têm sido associadas a muitos problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas, pressão alta e enfraquecimento da função imunológica. Para os idosos que já apresentam risco elevado para essas doenças, o controle do estresse é particularmente importante.


Com o tempo, o cérebro pode perder lentamente suas habilidades na regulação dos níveis hormonais. Como resultado, as pessoas mais velhas que se sentem preocupadas ou ansiosas tendem a produzir quantidades maiores de hormônios do estresse, e o alarme não é interrompido tão rapidamente. De acordo com um estudo publicado na revista Psychoneuroendocrinology, as mulheres são especialmente suscetíveis a uma sobrecarga de hormônios do estresse à medida que envelhecem. O estudo descobriu que o impacto da idade nos níveis de cortisol é quase três vezes mais forte para as mulheres do que para os homens.


O fluxo de hormônios do estresse pode ser especialmente difícil em cérebros mais velhos em geral. De acordo com um relatório da Universidade da Califórnia em San Francisco, o excesso de cortisol ao longo dos anos pode danificar o hipocampo, uma parte do cérebro que é crucial para armazenar e recuperar memórias. Vários estudos descobriram que o cortisol alto anda de mãos dadas com a falta de memória, por isso podemos ser capazes de atribuir certos "momentos mais antigos" ao estresse.


Anos de sofrimento emocional podem até aumentar o risco da doença de Alzheimer. Um estudo de cinco anos com cerca de 800 padres e freiras publicado na revista Neurology destacou esse risco potencial. Os indivíduos que relataram mais estresse foram duas vezes mais propensos do que os sujeitos menos estressados ​​a desenvolver a doença.


Acelerando o relógio


O estresse não apenas faz uma pessoa se sentir mais velha. Em um sentido muito real, pode acelerar a longevidade. Um estudo publicado no Proceedings of National Academy of Sciences descobriu que o estresse pode acrescentar anos à idade das células individuais do sistema imunológico. O estudo centrou-se nos telômeros, limites no final dos cromossomas. Sempre que uma célula se divide, os telômeros dessa célula ficam um pouco mais curtos e se passa um pouco mais do tempo. Quando o telômero se torna muito curto, o tempo se esgota: a célula não consegue mais se dividir ou reabastecer. Este é um processo chave da longevidade, e é uma das razões pelas quais os humanos não podem viver para sempre.


Os pesquisadores verificaram os telômeros e os níveis de estresse de 58 mulheres na pré-menopausa saudáveis. O resultado impressionante: em média, as células do sistema imunológico de mulheres altamente estressadas haviam envelhecido por mais 10 anos. O estudo não explicou como o estresse acrescenta anos às células que compõem o sistema imunológico. Como os autores do estudo escrevem, "os mecanismos exatos que conectam a mente à célula são desconhecidos". Os pesquisadores, no entanto, têm uma teoria não muito surpreendente: os hormônios do estresse poderiam de alguma forma encurtar os telômeros e diminuir a expectativa de vida das células.


Gerenciamento de estresse: a verdadeira fonte da juventude?


A boa notícia é que podemos colocar o que sabemos sobre estresse e longevidade para trabalhar em nós. Aprenda a gerenciar e reduzir sua carga de estresse e você terá uma chance melhor de viver uma vida longa e saudável.


Manter uma perspectiva positiva é uma das chaves - um estudo da Universidade de Yale descobriu que as pessoas que se sentem bem enquanto envelhecem vivem cerca de sete anos e meio mais do que os tipos "copo meio vazio". Os pesquisadores dizem que as pessoas com atitudes mais positivas também podem lidar melhor com o estresse e ter uma vontade mais forte de viver.


Ficar perto de amigos e familiares é uma excelente maneira de reduzir o estresse. Conforme relatado pela Associação Americana de Psicologia, o apoio social pode ajudar a prevenir o estresse e doenças relacionadas ao estresse. Os benefícios de amigos e familiares podem ser especialmente notáveis ​​para os idosos. Um artigo publicado no American Journal of Health Promotion observa que o apoio social pode desacelerar o fluxo de hormônios do estresse em idosos e, não por coincidência, aumentar a longevidade. Outros estudos descobriram que as interações sociais podem ajudar as pessoas mais velhas a permanecerem mentalmente afiadas e podem reduzir o risco de Alzheimer.


O exercício físico, um destruidor de estresse comprovado para pessoas de todas as idades, pode ser especialmente valioso nos anos seguintes. Passeios regulares, passeios de bicicleta ou hidroginástica podem fazer mais do que manter uma pessoa forte e independente; o exercício pode realmente ajudar a bloquear os efeitos da longevidade nos níveis de cortisol. Um estudo recente publicado na revista Psychoneuroendocrinology descobriu que mulheres fisicamente bem-sucedidas em seus 60 anos de idade tinham essencialmente a mesma resposta ao estresse do que um grupo de mulheres com não mais de 20 anos. Por outro lado, as mulheres em seus 60 anos que não estavam fisicamente em forma liberaram quantidades muito maiores de cortisol em resposta ao estresse.


No final, qualquer coisa que reduza o estresse desnecessário tornará os últimos anos mais agradáveis. Algumas pessoas simplesmente precisam parar de tentar fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Outros podem querer tentar exercícios de respiração ou outras técnicas de relaxamento. Outros ainda podem precisar conversar com um psicólogo para encontrar uma nova perspectiva sobre suas vidas.


Seja qual for a abordagem, a luta contra a sobrecarga de estresse vale o esforço. A Associação Americana de Psicologia informa que a redução do estresse nos últimos anos pode ajudar a prevenir deficiências e idas ao hospital. E se as pessoas acabarem se sentindo mais jovens, mais saudáveis ​​e mais felizes, tudo bem também.


Referências


Sapolsky, R.M. Why Zebras Don't Get Ulcers. Third Edition. Henry Holt and Company, New York. 2

Epel, E.S. Accelerated telomere shortening in response to life stress. Proceedings of the National Academy of Sciences 101(49): 17312-17315.

Traustadottir, T. et al. The HPA axis response to stress in women: effects of aging and fitness. Psychoneuroendocrinology 30(4): 392-402.

University of California at San Francisco. Aging, the stress response, cortisol, and cognitive function.

American Psychological Association. Psychology and Aging.

American Psychological Association. Friendlier ties to good health.

Wilson, R.S. et al. Proneness to psychological distress is associated with Alzheimer's disease. Neurology 61(11): 1479-1485.

Otte, C. et al. A meta-analysis of cortisol response to challenge in human aging: importance of gender. Psychoneuroendocrinology. January 30(1): 80-91.

Levy, Br et al. Longevity increased by positive self-perceptions of aging. Journal of Personality and Social Psychology, Aug;83(2):261-70.

Saiba mais sobre esse assunto

Produtos relacionados:

  • Placa Sur Fit Plus Convexa 22/45 mm 5un

    Por: R$ 274,29

    Comprar
  • Anel Plano Com Ceramida Hollister Adapt Ceraring 2,3mm 10un

    Por: R$ 244,29

    Comprar
  • Alcool Gel Antisséptico 70% Riocare 260ml

    Por: R$ 17,14

    Comprar
  • Placa Sur Fit Plus Regular 32 mm 5un

    Por: R$ 190,06

    Comprar
  • Placa Surfit Plus Moldável Convexa 13/45mm 10un

    Por: R$ 542,86

    Comprar