Um médico utilizando um estetoscópio no pescoço e uma prancheta nas mãos, fazendo a avaliação de um paciente idoso que esta acamado


Desnutrição: fator de risco na reinternação do idoso


Desnutrição é uma das principais causas de reinternação hospitalar


Projeções feitas pelo IBGE dão conta que, em 2060, um em cada quatro brasileiros terá mais de 65 anos de idade. O longevidade da população  traz uma série de impactos, entre eles, os custos para os planos de saúde e para o próprio idoso, que muitas vezes arca com as despesas relacionadas à sua saúde.


A longevidade da população vem acompanhado do aumento de doenças agudas e crônicas e, claro, do risco de internações hospitalares. Acontece que idosos são mais suscetíveis a terem problemas de desnutrição, por vários motivos, entre eles:


    • o olfato e o paladar são reduzidos;
    • problemas de dentição podem dificultar a mastigação de alimentos;
    • a mobilidade reduzida pode dificultar a saída de casa para compras de supermercado e para o preparo de refeições;
    • depressão, comum nessa faixa etária, muitas vezes faz com que o idoso não tenha vontade de se alimentar


Segundo a Liga de Geriatria Unicamp, por causa de todos esses problemas, 55% dos idosos hospitalizados estão desnutridos no momento da admissão. O déficit nutricional traz uma série de impactos, como o aumento do risco de morte, a maior incidência de complicações e o maior tempo de internação.


Embora durante o período de hospitalização ele receba uma nutrição voltada a seu caso específico, muitas vezes não se consegue resolver o problema nutricional daquele idoso no período em que ele permanece no hospital. Mais do que isso, ao ser liberado para retornar para casa, é comum que aquele idoso volte à sua antiga rotina de má alimentação, ainda que tenha recebido orientações antes de ter tido alta. Resultado: desnutrido, ele volta a ser reinternado.


Só para que se tenha uma ideia, um estudo publicado em 2017 mostrou a desnutrição eleva em até 4 vezes o risco de readmissão e de mortalidade num período de 7 dias após a alta, e dobra as chances em um período entre 8 e 180 dias após o idoso ter sido liberado do hospital.


No período de recuperação em casa, é fundamental estar atento a alguns sinais que o seu ente querido pode apresentar e que são indicativos de desnutrição ou déficit de nutrientes. Confira:


    • observe se as roupas começaram a ficar largas, sinal de perda de peso/
    • verifique se o seu ente querido faz realmente as refeições. Se ele vive em uma clínica de idosos, procure conversar com a equipe técnica;
    • mau hálito, unhas quebradiças, queda de cabelo são sinais de falta de nutrientes. Talvez seja o momento de fazer uso de suplementos;
    • urina de cor forte indica que a hidratação não está boa;
    • preste atenção aos sinais emocionais que o seu ente querido lhe dá. Ele anda amuado? Não tem vontade de sair da cama? Parou de se alimentar? Esses podem ser sinais de depressão, e ela afeta significativamente a ingestão de alimentos.
Saiba mais sobre esse assunto

Produtos relacionados:

  • Seringa de Segurança sem Agulha BD SoloMed 5 mL Luer-Lok 350un

    Por: R$ 626,54

    Comprar
  • Curativo Rolo Hartmann Hydrofilm Roll 10cm X 10M 1un

    Por: R$ 254,29

    Comprar
  • Base Plana Adesiva Hollister New Image Ceraplus 70mm Com Flange Flotante De 57mm Recortável 5un

    Por: R$ 191,43

    Comprar
  • Meias Cardinal Antiembólicas T.E.D - Até o Joelho - Grande - Longa

    Por: R$ 86,09

    Comprar
  • Placa Surfit Plus Plana Moldável Grande 57mm 10un

    Por: R$ 486,20

    Comprar