UTILIZE O CUPOM
PRIMEIRACOMPRA
GANHE 5% DE DESCONTO E 5% DE CRÉDITO EM TODAS AS COMPRAS.
CUPOM
PRIMEIRACOMPRA
5% OFF + 5% DE CRÉDITO.

Escolha seus produtos para saúde


As dietas de jejum podem diminuir a gravidade do COVID?


Pesquisadores da Intermountain Healthcare em Utah descobriram que as pessoas que praticavam o jejum intermitente apenas com água por décadas tinham menos probabilidade de sofrer complicações graves como resultado de uma infecção por COVID.


"Já foi demonstrado que o jejum intermitente reduz a inflamação e melhora a saúde cardiovascular. Neste estudo, estamos encontrando benefícios adicionais quando se trata de combater uma infecção por COVID-19 em pacientes que jejuam há décadas", disse o principal autor Benjamin Horne, diretor de epidemiologia cardiovascular e genética da Intermountain.


Os pesquisadores coletaram dados de um registro voluntário no centro de saúde. Eles identificaram 205 pacientes que testaram positivo para o vírus entre março de 2020 e fevereiro de 2021 – antes que as vacinas estivessem disponíveis. Setenta e três deles jejuavam pelo menos uma vez por mês. (Aproximadamente 62% dos residentes de Utah são membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, para quem o jejum no primeiro domingo do mês é típico).


Os pesquisadores relataram hospitalização e/ou morte em 11% dos jejuadores em comparação com 29% dos não jejuadores.


Eles disseram que não está claro exatamente por que o jejum intermitente está associado a melhores resultados de COVID e que são necessárias mais pesquisas. Mas eles teorizaram que o jejum pode reduzir a inflamação, enquanto a hiperinflamação está associada a diagnósticos ruins de COVID.


Além disso, após uma dúzia de horas de jejum, o corpo muda a maneira como processa o açúcar no sangue, mudando de glicose para cetonas, incluindo o ácido linoleico, disseram os pesquisadores.


“Há um bolso na superfície do SARS-CoV-2 no qual o ácido linoleico se encaixa – e pode tornar o vírus menos capaz de se ligar a outras células”, disse Horne em um comunicado à imprensa da Intermountain.


Ele acrescentou que o jejum intermitente também beneficia um processo corporal natural chamado autofagia, que é o sistema de reciclagem que “ajuda seu corpo a destruir e reciclar células danificadas e infectadas”.


Os autores enfatizaram que os participantes praticam o jejum intermitente há décadas e que qualquer pessoa que pense em experimentar esse estilo de dieta deve primeiro consultar seu médico, especialmente se for idoso, grávida ou tiver condições como diabetes, doença cardíaca ou doença renal.


Horne acrescentou que o jejum não deve ser visto como uma alternativa à vacinação contra o COVID, mas talvez uma “abordagem complementar às vacinas e terapias antivirais para reduzir a gravidade do COVID-19”.


O estudo foi publicado recentemente no BMJ Nutrition, Prevention and Health.


Artigos Relacionados:

Dietas milagrosas: Mito ou Realidade?

Dietas saudáveis: dicas para o dia a dia


FONTE: Intermountain Healthcare, comunicado à imprensa, 8 de julho de 2022


Artigo escrito por 

Foto por Adobe Stock

Encontre seus produtos para saúde e receba em todo Brasil.
Lembrou de alguém? Compartilhe!
  • Frasco para Nutrição Enteral 300 ML - Biobase

    Por: R$ 57,00

    Comprar
  • Frasco para Nutrição Enteral 300 ML - Biobase

    Por: R$ 57,00

    Comprar
  • Sonda Aspiração Traqueal C/Válvula N°12 - Cpl

    Por: R$ 91,29

    Comprar
  • Suplemento Nutridrink Advanced Baunilha 600g 1 un - Danone

    Por: R$ 181,82

    Comprar
  • Curativo Aquacel Ag+ Extra 15X15cm 5un

    Por: R$ 675,87

    Comprar